na periferia da cinelândia

hable con ella: cineorlyarrobagmailpontocom

Arquivo para cineplayers

Um caminho para o Cineorly

Esses dias finalmente entendi qual a verdadeira vontade que se expressa através desse bloguinho, que é menos escrever críticas cinematográficas do que ser um caderno de anotações sobre o cinema em suas várias possibilidades, seguindo a linha de algumas leituras, a experiência em festivais (vide o É Tudo Verdade que começa nesta quinta, 26/03, aqui no Rio) e uma pequena – mas feliz – vivência com o fazer cinema.

A partir de agora, além de postar os já costumeiros textos escritos para o Cine Players, o Cineorly vai ser espaço para salvar algumas idéias e trechos de leituras que me ajudaram ou vem me ajudando na construção de um olhar crítico em formação.

Aqui os links pros últimos textos postados: O Casamento de Rachel e Pagando Bem, Que Mal Tem? (ou Zack And Miri Make a Porno)

E é isso aí pessoal!

Leonera + Eu, Meu Irmão e Nossa Namorada

leonerac2

“Desde aquelas primeiras e ensangüentadas cenas de Leonera e a respectiva ida de Julia (Martina Gusman) à cadeia não é possível prever o que se transformará no gancho para a virada da então apática personagem. É só quando passa pela revista antes de ser encarcerada de vez que descobrimos a gravidez da protagonista. E se em Família Rodante Pablo Trapero trata da sufocante convivência de uma numerosa família em uma viagem de trailer, aqui ele investiga outra possibilidade de constituição e existência familiar: mãe e filho aprendendo a se relacionar com o mundo através das grades da prisão.[…]”

dan_in_real_life2

“[…]a trilha sonora original composta pelo músico norueguês Sondre Lerche, que não só demonstra sintonia temática com os conflitos da trama (como na música To Be Surprised, tema e mensagem final do personagem de Dan) como molda a sensibilidade que permeia o filme e faz dele algo melhor do que se poderia esperar.”

Hoje, um ano.

Amigos, depois de muita concentração de energia a respeito de uma prova, o grande dia já passou e agora é esperar pela nota. Isso explica o sumiço, mas ainda diz muito pouco sobre o que se passa por aqui.

Legal mesmo – e foi pra isso que eu loguei no wordpress à uma da manhã – foi que hoje começou o Festival do Rio pra mim. As primeiras cabines foram a produção germano-húngara Delta, que conta a história de uma comunidade que não curte a idéia de um incesto; o outro foi o novo do Guy Ritchie,
Rock’n’Rolla, que além de começar a ficar interessante só lá pela metade, não atualiza em nada a filmografia do cara; o terceiro foi 14 Kilómetros sobre o qual eu realmente não saberia o que comentar; e por fim, pra nos acordar, a sessão madrugueira foi Casa Negra, um filme coreano que ainda não me fez entender se era propositalmente trash ou inocentemente clichê, mas que nos divertiu litroz: gargalhadas garantidas e meu filme predileto do dia.

Mas hoje é um dia especial também porque há um ano foi a minha estréia nessa vida de cabines e críticas: era Festival do Rio também e minha primeira cabine foi a do filme People – Histórias de Nova Yorque lá no Odeon. Foi o dia de realizar um sonho que sinceramente eu já tinha riscado da lista.

Pra matar a curiosidade, eis aqui a crítica de People, meu primeiro texto por essas paragens cinematográficas, e que gerou até citação do meu nome em capa de dvd por causa da frase inicial, espertamente utilizada fora do contexto.

E pra quem quiser acompanhar o que eu e o Andy – guru e amigo querido – estamos fazendo aí por esse festival, é só seguir a trilha da gente aqui, aqui e aqui.

E pra me seguir, é só seguir a linha da Maga ———–>

A gente se encontra por aí!

Um Beijo Roubado + Estômago

Estréias do final de semana, Um Beijo Roubado – novo do cineasta chinês Wong Kar Wai -, e Estômago que faturou vários prêmios no Festival do RIo 07, ganharam críticas da equipe-do-eu-sozinho publicadas no CinePlayers.

Para ler é só clicar na foto: